Os gatos acalmam: o convívio com os felinos influenciam no bem estar; saiba mais

Gatos são capazes de influenciar no humor e na saúde dos humanos.

Anúncio


Gatos acalmam. Essa semana o enfermeiro Ahmed Flaty e um gato de rua virilizaram. Quando o jovem fez uma de suas raras pausas de um plantão que perdurava por 12 horas, uma gata de rua se aproximou. De início, parecia que ela sabia da necessidade do enfermeiro  de receber conforto depois de tantas horas de trabalho. Saiba mais sobre o tema em 15 de novembro.

Continua depois da publicidade

Mas essa não é a primeira vez, em que situações envolvendo os felinos e hospitais vêm a público. Nesse sentido, em 2018 conhecemos, Duke Ellington, um gato de terapia que cuida de pacientes em um hospital oferecendo carinho a pacientes.

Conheça o gato terapeuta Duke (Imagem: Hypeness)

Dessa forma, ele faz parte do Programa de Terapia Animal assistido pelo hospital e visita diariamente várias pessoas, que acariciam o bichano.

Continua depois da publicidade

Como os gatos acalmam?

Em ambos os casos acima evidenciam o que cientistas, médicos e muita gente já sabe: gatos acalmam as pessoas. É fato, que a interação entre humanos e o felinos podem reduzir estresse, ansiedade, depressão, além de proporcionar outros benefícios à saúde.

Continua depois da publicidade

Veja a seguir mais detalhes dessa relação e entenda como ela pode trazer alívio e conforto às pessoas de um modo geral.

Redução de estresse, ansiedade e depressão no contato com felinos

A princípio, aquela vibração que o bichinho faz quando está feliz e recebendo carinho é o apresenta grande potencial terapêutico. Pois, o ronronar provoca uma sensível melhora em pessoas afetadas por ansiedade.

Tendo isso em vista, o som produzido consegue afetar positivamente na recuperação da saúde, além de  relaxar e criar um ambiente mais acolhedor.

A presença dos pets, também reduz os níveis de cortisol, hormônio produzido em excesso em situações de perigo. Afinal,  diminui a tensão dos pacientes e além disso, eles tiram o foco do problema.

gatos e idosos
Doenças de idosos amenizadas com a presença de gatos (Fonte: Razões para acreditar)

Com o tempo, tutores de gatos que apresentam algum destes distúrbios apresentam uma melhora na qualidade de vida, a medida que criam uma conexão especial com o pet. Um estudo da Clínica Médico-Psiquiátrica da Ordem, em Porto (Portugal) comprova isto.

Vale dizer que o estudo foi conduzido com oitenta pacientes que não apresentaram melhora de sintomas da depressão como tristeza e isolamento. A presença dos pets melhorou o quadro dos sinais da doença em apenas quatro semanas de convívio.  

Terapia para Autismo e Alzheimer 

Embora não tenha sido cientificamente provado, os gatinhos podem ser usados também, para terapia complementar em casos de autismo, Alzheimer e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). 

Recuperação de ossos, infecções e inchaços

De acordo com a Scientific American, a vibração do ronronar está entre 20 e 140 Hz, uma frequência capazes de curar infecções e reduzir inchaços.

O ronronar permite uma recuperação mais rápida, principalmente em ossos quebrados. Os cientistas acreditam que o mesmo pode acontecer com humanos.

Pessoas que têm gatos podem ser ajudas quanto à saúde | Fonte Freepik

O ronronar tem dois vieses, ou seja, ajuda no fortalecimento dos ossos e alivia a dispneia – sensação que a respiração está incompleta (falta de ar). E o outro, é que os felinos em geral não ronronam apenas quando estão felizes, mas também quando estão em situações complicadas ou machucados.

Menor risco de ataque cardíaco

As pesquisas apontadas hoje,  demonstram que interações com gatos e outros animais pequenos ajudam a reduzir a pressão sanguínea. E um estudo recente revelou que pessoas que convivem com gatos diariamente têm cerca de 40% menos chances de sofrerem um ataque cardíaco.

A priori, nas observações dos tutores de gatos e cachorros constatou-se que os donos dos felinos têm menores chances de desenvolver quaisquer tipo de cardiopatias.

Ademais, quem teve alguma cardiopatia apresentou uma melhora progressiva depois de conviver com um gato. 

Em última análise, é bem interessante todas as pesquisas relacionadas aos animais e sua interação conosco.

Mas cá entre nós, essa troca já está mais do que comprovada no dia a dia de muitos tutores e familiares, pois, mesmo se alguém não souber dessas pesquisas, reconhecer o bem deles na convivência é um fato inegável.

Gostou dessa matéria? Acompanhe mais em nossas redes sociais e compartilhe: FacebookInstagranTwinter e Pinterest 

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies