Solução para acabar com a raiva dos cães: veja o que especialistas dizem

Conheça a boa notícia anunciada pelo Relatório de Proteção Animal Mundial

Anúncio


raiva é uma doença que atrapalha a relação entre o homem e seu melhor amigo: os cães. O vírus é transmitido via mordida, lambida ou arranhão de um animal infectado. Uma boa notícia dada pelo Relatório de Proteção Animal Mundial, que trouxe em sua pesquisa a solução para acabar com a raiva: tratar os cães e eliminar o foco de transmissão e, assim, não pensar apenas no tratamento dos humanos. Neste 30/11, o Folha Go traz alguns dados sobre essa ação para os pets.

Continua depois da publicidade

Leia ainda: Pastor Alemão: conheça o cão que pastoreava na Alemanha 

Veja boa solução dos especialistas para acabar com a raiva
Medidas de proteção aos animais são a solução para acabar com a raiva ( Crédito hojeunisul)

Acompanhe a matéria até o fim e você verá números da raiva em cãezinhos pelo mundo e quais países falham no combate à doença.

Continua depois da publicidade

Solução para acabar com a raiva no Brasil 

O Brasil é um dos países na pesquisa do relatório “De olho nos cães”, divulgado pela entidade mundial. Bem como, Tailândia, China, Índia e Quênia, que completam a lista.

Continua depois da publicidade

Ademais, um fato curioso é que todos eles apresentam o mesmo problema na ação contra a doença: focam em tratar os humanos infectados e se esquecem de medidas protetivas para os animais de rua, principalmente em áreas mais pobres.

Os estudos apontam que são gastos, aproximadamente, apenas quatro dólares para vacinar um cão contra raiva contra US$ 108 para tratar um humano mordido. Isso evidencia que não há planejamento efetivo que vise a resolução do problema, apenas focam em cuidados paliativos que são onerosos,

disse Rosangela Ribeiro, gerente de programas veterinários da Proteção Animal Mundial.

Números alarmantes

A raiva mata, em média, 59 mil humanos anualmente. Contudo, o planejamento do tratamento com o objetivo de inibir o transmissor da doença (cães de rua), diminuiria esse número.

Leia ainda: Cachorro toy: saiba tudo sobre esse animalzinho incrível 

Mais que isso, se a estratégia das autoridades e governos não mudar, mais vidas humanas se perderão. Assim, a estimativa é que até 1 milhão de pessoas morrerão contaminadas com o vírus de raiva até 2035.

 

Veja boa solução dos especialistas para acabar com a raiva
Medidas de proteção para controle da doença precisam incluir a vacinação dos cachorros de rua (Crédito Rockandpop)

Entretanto, o estrago não é apenas nas vidas humanas. De acordo com a Proteção Animal Mundial, se não houver nenhuma ação, mais de 10 milhões de cães morrerão na tentativa de controle a doença da raiva. Hoje, são 170 cães mortos para cada vida humana perdida.

Quando vacinados e tratados com responsabilidade, os cães não transmitem a doença. Desse modo, a solução passa longe de crucificar cachorros de forma cruel, mas em desenvolver melhores vacinas, ter castração direcionada, campanhas educativas e união de todos na luta contra a doença.

Bons exemplos nessa batalha 

Nesse sentindo, em alguns países da América Latina, que seguiram as orientações estratégicas de tratamento da doença, a redução em humanos foi de 95% e 98% em cães, números desde 1980 até hoje. Em um ano, houve aplicação da vacina em mais de 100 milhões de cães.

Por isso, a conscientização das autoridades e cidadãos e as campanhas educativas são tão importantes. Enfim, os animais merecem respeito e não podem ficar desemparados. Por outro lado, as vidas humanas sempre importam.

Então, para a amizade entre homens e cães não ser separada pela raiva, basta o foco em proteger os bichinhos que são atacados pelo vírus.

Leia ainda: Conheça a história emocionante de Golden que arrasta corpo de amigo atropelado 

Gostou dessa matéria? Acompanhe mais em nossas redes sociais e compartilhe: Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest. 

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies