Cientistas estrangeiros renomados vêm a São Paulo discutir inovação

Cientistas renomados vêm ao Brasil pelo programa SPEC (São Paulo Excellence Chair) discutir inovação

Anúncio


O Insyspo (Sistemas de inovação, estratégias e políticas) é um programa da São Paulo Excellence Chair (SPEC) fundada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Sua principal função é trazer pesquisadores de todo o mundo (sobretudo dos Estados Unidos, União Europeia e Ásia) às universidades de São Paulo, facilitando o desenvolvimento de seus campos de atuação. Eles ficam no Brasil durante três meses por ano, e por um período de cinco anos. Seu principal coordenador é o professor da George Washington University, Nicholas Vonortas.

Continua depois da publicidade

Para entender seu funcionamento, o Momento USP Inovação desta semana conversa com o professor Sérgio Robles Reis de Queiroz, do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp e coordenador adjunto do programa. “São quatro principais áreas de atuação: sistemas de inovação, comandado pelo professor Vonortas; avaliação de políticas e programas de ciência, tecnologia e inovação; parcerias estratégicas e formação de redes; e empreendedorismo intensivo em conhecimento”, esmiúça Robles.

Relacionados

Acidente próximo a cidade de Diamantino deixa vítima fatal em Hilux…

Continua depois da publicidade

Suspeita de suicídio diz Agitos Mutum: Vereador Romeu Belém morre em…

Continua depois da publicidade

Fotomontagem O professor convida para dois eventos oferecidos pelo programa. “O primeiro será um simpósio internacional na Unicamp, que ocorrerá nos dias 3 e 4 de julho e tratará de catching up tecnológico e econômico. Isto é, recuperação do tempo perdido nessas áreas em relação aos países desenvolvidos. O segundo, na sede da Fapesp, em São Paulo, no dia 5 do mesmo mês, um workshop retomando o assunto, mas com outro foco. Falará de avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação.”

Segundo Robles, o Brasil conseguiu essa recuperação em alguns períodos da história, mas encontra-se estagnado; às vezes, retrocedendo. “Até a década de 70, o Brasil era o país que mais crescia no mundo junto ao Japão. No entanto, parou de 1980 em diante”, argumenta. Ele cita a Coreia do Sul como exemplo de sucesso, numerando seu PIB per capita, equivalente hoje a 70% do dos Estados Unidos. A China, que já teve 5% da renda por pessoa dos membros da OCDE, hoje encontra-se no mesmo patamar, na verdade passou por pouco em 2017. “A universidade é uma das condições importantes para essa retomada e cumpre bem seu papel. Porém, não é a única responsável”, defende o professor.

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies