Como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial? Veja o que se sabe

O futuro do programa é incerto, pois por um lado o governo deseja mudá-lo, mas por outro, não se encontra uma solução viável

Anúncio


Ainda no primeiro semestre de 2020, o Programa Bolsa Família passou por uma de suas mais significativas mudanças: foi substituído pelo auxílio emergencial para a grande maioria dos beneficiários. Contudo, o auxílio será pago somente até dezembro. Desse modo, como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial? O Folha Go responde a essa e outras dúvidas nesta sexta-feira (12/11).

Continua depois da publicidade
Como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial? Saiba mais
Como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial? Saiba mais – Imagem: Divulgação UOL

O auxílio emergencial foi criado pelo governo como forma de amenizar os impactos negativos, para a população mais prejudicada pela pandemia: desempregados, trabalhadores informais, microempreendedores e beneficiários do Bolsa Família.

Leia também: Calendários Bolsa Família 2020: confira as últimas datas de pagamento do benefício

Continua depois da publicidade

Como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial

Iniciado em abril, o auxílio emergencial tem sido destinado para a população atendida pelo Bolsa Família.

Continua depois da publicidade

No entanto, nem todos os participantes do programa assistencialista puderam receber o recurso. Os fatores comuns podem ser determinados da seguinte maneira:

  • Inconsistências cadastrais;
  • Membros na família já recebendo o auxílio;
  • Valor do Bolsa Família é superior ao valor do auxílio emergencial.

Desse modo, de acordo com o regulamento, em cada família só poderiam ser recebidas duas cotas do auxílio.

Além disso, o beneficiário do Bolsa Família teria acesso ao benefício de maior valor. Se este fosse o auxílio, o Bolsa passaria a ser substituído. Caso contrário, o usuário continuaria recebendo as parcelas do programa normalmente.

Esse último fator, determinava o não recebimento de dois benefícios simultaneamente, explícito por lei.

Nesse sentido, o governo divulgou ainda no primeiro semestre, que cerca de 95% dos beneficiários do Bolsa Família estavam recebendo o dinheiro do auxílio emergencial.

Embora essa porcentagem tenha diminuído ao longo desses 8 meses, muitos beneficiários do programa tiveram sua renda aumentada. Uma vez que as cotas de R$ 600 e R$ 1.200 pagas de abril a agosto e as cotas de R$ 300 e R$ 600, relativas à segunda prorrogação, representam valores bem acima da média do programa, que não ultrapassa os R$ 200.

Dito isso, muitos beneficiários se perguntam como fica o Bolsa Família depois do auxílio emergencial, mas o governo tem deixado o público confuso.

Futuro do programa ainda é incerto

O Bolsa Família atende pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza, que tenham uma renda mensal por pessoa de até R$ 178.

De acordo com a composição familiar, o valor do benefício pode variar. Porém, a média das parcelas varia em torno de R$ 200.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e sua equipe econômica chefiada pelo ministro Paulo Guedes, já demonstraram o interesse em ampliar o programa. O objetivo seria o de deixá-lo com as marcas da atual gestão.

Nesse sentido, o Renda Brasil seria o programa social que substituiria o Bolsa. Mas por falta de acordo entre as ideias de financiamento do novo programa, o presidente encerrou a discussão e disse que o Bolsa Família permaneceria até o final do seu mandato (2022).

Contudo, logo após essa declaração feita em 15 de setembro, o presidente autorizou que se criasse a Renda Cidadã, cujo relator é o senador Márcio Bittar (MDB-AC).

Confira: O que é Renda Cidadã? Entenda nova proposta para 2021

Portanto, podemos afirmar que o futuro do programa é totalmente incerto, pois por um lado o governo deseja mudá-lo, mas por outro, não se encontra uma solução viável.

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies