Pronampe: micro e pequenas empresas poderão ter direito a mais uma rodada de empréstimos

Nova rodada do Pronampe foi aprovada no Senado e segue para votação na Câmara

Anúncio


Aprovado na última quarta (18/11) no Senado, o projeto que autoriza a continuidade do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte). Se virar lei, o programa dará continuidade ao beneficiamento de empresas através da concessão de empréstimos com juros mais baixos para ajudar os empreendedores a superar a crise.

Continua depois da publicidade
Pronampe: Micro e pequenas empresas poderão ter direito a mais uma rodada de empréstimos
Pronampe: Micro e pequenas empresas poderão ter direito a mais uma rodada de empréstimos (imagem: divulgação/G1)

Veja também: cadastro positivo tende a auxiliar aprovação de cartão e empréstimo.

O que é Pronampe?

O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Pequenas Porte é um programa do governo federal criado ainda este ano, por meio da lei 13.999, para o enfrentamento à crise financeira ocasionado pela pandemia.

Continua depois da publicidade

Seu principal objetivo é financiar o desenvolvimento e fortalecimento de pequenos negócios.

Continua depois da publicidade

Com o recurso, as empresas poderão destiná-lo ao capital de giro, para adquirir insumos, máquinas, equipamentos ou realizar o pagamento de funcionários e de despesas relacionadas ao funcionamento do negócio.

O prazo para o pagamento das parcelas do financiamento advindas desse programa é de 36 meses.

Quem tem direito ao Pronampe?

De acordo com a lei, microempresas que tenham um faturamento anual de até R$ 360 mil por ano ou empresas de pequeno porte com faturamento que varia de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões, podem aderir ao programa.

Também podem aderir, profissionais liberais sem vínculo empregatício ou que não tenham participação ou sejam sócios de outras empresas.

Quais as regras e valor dos empréstimos?

Atendendo aos requisitos da lei, qualquer microempresa e empresa de pequeno porte terá acesso a financiamentos que podem ser pagos em até 36 meses.

O valor do empréstimo é de 30% da receita bruta da empresa no ano passado. Entretanto, há uma limitação de valores que não podem ser superiores a R$ 108 mil para microempresas e R$ 1,4 milhão para empresas de pequeno porte.

Se a empresa é nova, a regra de contabilização do valor é diferenciada. Em primeiro lugar, o cálculo pode ser feito sobre 50% do capital social. Também há a opção do cálculo se dar sobre 30% da média do faturamento mensal, que será multiplicada por 12.

Para profissionais liberais, o valor do empréstimo não pode ser superior a R$ 100 mil e para eles há a possibilidade de começar o pagamento somente após 8 meses da formalização.

Garantia de financiamento

De acordo com a lei, o financiamento será garantido pelo Fundo Garantidor de Operações (FGO). Trata-se de um fundo privado que tem como objetivo assegurar operações que envolvam o acesso ao crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores individuais e a micro e pequenas empresas.

Apesar de privado, o governo fez aportes a esse fundo. Na primeira rodada, foram inseridos R$ 15,9 bilhões e na segunda, R$ 12 bilhões.

Podem realizar o financiamento, os bancos, cooperativas de crédito, instituições integrantes do sistema de pagamento brasileiro, fintechs e instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Com a aprovação do Senado, o texto vai para a Câmara dos Deputados. Se aprovado, será iniciada uma terceira rodada de financiamentos.

Conta digital do PagBank rende mais que NuConta do Nubank?

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies