Trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego? Saiba como calcular

O trabalhador deve ter em mente as variações para saber qual o valor do seu benefício temporário

O direito de receber o seguro-desemprego está intimamente ligado ao regime de trabalho em que o trabalhador atuou, o qual deve ser o CLT (formal, de carteira assinada) e quanto tempo o profissional prestou serviço à determinada empresa. Desse modo, o Folha Go esclarece nesta quinta-feira (17/12) algumas questões relacionadas ao cálculo feito para o recebimento do benefício, como: trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego? Entenda melhor na sequência.

Trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego? Saiba como calcular
Trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego? Saiba como calcular – Imagem: Reprodução / G1

Leia também: Com quanto tempo de trabalho recebe-se o seguro-desemprego? Saiba agora mesmo

Trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego?

Pago ao trabalhador formal recém desempregado, o seguro-desemprego visa subsidiar de forma temporária o profissional que perdeu a sua única fonte de renda.

Tendo isso em vista, o benefício dispõe de algumas regras relacionadas à quantidade de parcelas recebidas, bem como os valores calculados.

Desse modo, o seguro-desemprego paga aos desempregados entre três e cinco parcelas. A variação diz respeito à quantidade de vezes em que o recurso foi pago e o tempo de serviço prestado pelo profissional antes da demissão.

Assim sendo, o tempo é calculado de acordo com a quantidade de vezes que o seguro foi solicitado:

  • 1º pedido: pelo menos 12 dos 18 meses antes da demissão;
  • 2º pedido: pelo menos 9 dos 12 meses antes da demissão;
  • 3º pedido em diante: nos 6 meses antes da demissão.

Valor do seguro

Os valores das parcelas também variam: pode ser entre R$ 1.045 (valor do salário mínimo desde fevereiro de 2020) e R$ 1.813,03.

Tendo isso em vista, trabalhei 1 ano, quanto vou receber de seguro-desemprego? A pergunta é constantemente feita pelos trabalhadores que necessitam do dinheiro.

Para responder, há um cálculo a ser feito: o salário recebido durante os três últimos meses antes da dispensa deve ser somado. Após a soma, o trabalhador divide o resultado por 3.

Dessa maneira, é possível ter uma ideia do valor do seguro-desemprego, de acordo com o resultado final; veja:

  • Cálculo deu ATÉ R$ 1.599,61: multiplica o salário por 0,8 (80%);
  • De R$ 1.599,62 a R$ 2.666,29: o que exceder R$ 1.599,61 será multiplicado por 0,5 (50%) e somado a R$ 1.279,69;
  • Acima de R$ 2.666,29: a parcela será de R$ 1.813,03.

Portanto, o trabalhador deve ter em mente as variações citadas para saber qual o valor do seu benefício temporário.

Além disso, outros pontos devem ser observados e cumpridos para que o trabalhador tenha acesso ao seguro-desemprego.

Veja ainda: Disponibilizadas 2 formas de solicitar seguro-desemprego on-line; veja

Cumprimento de regulamento

O trabalhador formal, dispensado sem justa causa tem direito ao seguro desemprego, bem como as demais categorias:

  • Doméstico, em virtude da dispensa sem justa causa, inclusive dispensa indireta; ou seja, quando o empregado decide sair da empresa por falta grave do empregador;
  • Formal com contrato de trabalho suspenso em virtude de participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador;
  • Trabalhador resgatado (situação semelhante ao trabalho escravo);
  • Pescador profissional durante o período do defeso; isto é, quando a pesca é proibida devido à preservação de espécies.

Contudo, para ter acesso ao benefício, o profissional deve atender ao seguinte prazo:

  • Trabalhador formal – do 7º ao 120º dia da data de dispensa;
  • Bolsa qualificação – durante a suspensão do contrato de trabalho;
  • Empregado doméstico – do 7º ao 90º dia da data de dispensa;
  • Pescador artesanal – durante o defeso, em até 120 dias do início da proibição;
  • Trabalhador resgatado – até o 90º dia, a contar da data do resgate.

E, por fim, deve também atender aos seguinte critérios:

  • Não possuir nenhuma outra fonte de renda;
  • Estar desempregado quando solicitar o seguro-desemprego;
  • Não ter CNPJ, mesmo que inativo;
  • Ter sido demitido sem justa causa ou na categoria de rescisão inversa, quando o trabalhador pede a rescisão do contrato devido a uma falta grave cometida pelo empregador;
  • Não estar recebendo qualquer benefício do INSS, como aposentadoria.

Caso o interessado esteja recebendo auxílio acidente e pensão por morte, poderá receber o seguro-desemprego.

Confira: Saiba agora mesmo como sacar seguro-desemprego no caixa eletrônico

Leave A Reply

Your email address will not be published.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies