ONU identifica crescimento da pobreza na América e vê Agricultura Familiar como solução

Com o aumento da desigualdade, a segurança alimentar está ameaçada

Um estudo das Nações Unidas (ONU)  sobre segurança alimentar reconheceu a Agricultura Familiar como uma forma essencial para resolver os problemas relacionados à desnutrição e a má alimentação. Esse estudo decorreu de um relatório da ONU sobre a desigualdade social na América Latina e Caribe, que identificou a má distribuição da alimentação e grande carência nutricional em várias regiões do continente. 

De acordo com o relatório citado, o sobrepeso infantil nos territórios mais atrasados da região é duas vezes maior do que nas regiões sem atraso: 13,1% contra 6,6%. Além disso, o relatório apurou o atraso do crescimento infantil, que neste caso, alcança 27,6% nos territórios com atraso elevado e apenas 11,9% naqueles sem atraso.

-- Continuar depois da publicidade --

“As médias nacionais escondem desigualdades territoriais. Em cada país, temos locais que atingiram padrões muito bons e outros onde as condições são muito graves. É fundamental que os países concentrem seus esforços e canalizem recursos para territórios atrasados, com soluções sob medida para cada um deles”, disse Julio Berdegué, Representante Regional da FAO.

Um em cada cinco territórios analisados ​​pelo Panorama apresenta defasagem em ambos os indicadores: esses territórios costumam ser rurais, com elevados níveis de pobreza e elevada presença de população indígena e afrodescendente.

Na verdade, por causa da pandemia, os índices de pobreza nessas regiões aumentaram, causando grande preocupação nas autoridades. 

-- Continuar depois da publicidade --

A agricultura familiar como solução para o problema da pobreza

Uma das soluções encontradas para resolver essa questão é justamente o investimento na agricultura, em especial a agricultura familiar. O relatório aponta a necessidade urgente de investir no campo e na agricultura familiar.

Isso porque as áreas e populações rurais são as mais afetadas pela pobreza e desnutrição. Além disso, nas regiões rurais o custo da alimentação é menor e também existe maior disponibilidade de produtos saudáveis. 

“É fundamental promover sistemas alimentares que favoreçam o acesso a alimentos nutritivos, diversificados e acessíveis, o que só pode ser feito com o apoio à agricultura familiar ”, disse Rossana Polastri, Diretora do FIDA para a América Latina e o Caribe.

O relatório também sugere o aumento dos gastos sociais de governos em programas de combate à pobreza e a fome. No Brasil, isso equivale ao programa Bolsa Família e também ao atual Auxílio Emergencial. Ambos têm contribuído para afastar o problema da extrema miséria no país.

Por fim, salienta Miguel Barreto da WFP, “este relatório confirma a necessidade de os governos da região expandirem suas redes de proteção social existentes e aumentarem os gastos sociais para que seus benefícios cheguem às pessoas mais vulneráveis ​​afetadas pela insegurança alimentar em um estágio de pandemia”, disse Miguel Barreto, Diretor Regional do WFP.

-- Continuar depois da publicidade --

Comments
Loading...