Projeto mira fim do conflito entre espécie da arara-azul e agricultores

Projeto promete criar solução para acabar com ataques às araras-azuis

arara-azul está ameaçada de extinção. Projetos de recuperação da espécie  aumentaram sua população. Por outro lado,  a presença das aves trouxe conflitos com os agricultores locais. Hoje, 02/01, você, leitor do Folha Go ,saberá em nossa coluna Pets,  o motivo dessa confusão e qual a solução proposta pelo projeto.  

Leia ainda: Após 34 anos, animais de Chernobyl ainda sofrem mutações

-- Continuar depois da publicidade --

Projeto mira fim do conflito entre espécie da arara-azul e agricultores
A arara- azul está em risco de extinção mas um projeto aumentou sua população em Santa Catarina ( Crédito infoescola)

 

Acompanhe a matéria até o fim e conheça porque os agricultores estão descontentes com o crescimento da população de araras-azuis e, logo depois,  qual a solução desse conflito. 

Arara-azul x agricultores 

A arara-azul vive, exclusivamente, na região conhecida como Raso da Catarina, na Caatinga, no Nordeste da Bahia. Sua população, nos últimos 40 anos, aumentou de 60 para 1,7 mil. Isso é resultado de projetos de recuperação e proteção da espécie.  Enfim, uma boa notícia.

Por outro lado, o crescimento da quantidade de aves trouxe problemas aos agricultores locais. O alimento preferido das aves é o coquinho licuri. Porém, devido ao desmatamento, sua oferta está escassa. Logo, as aves têm se alimentado dos milharais.  

Dessa forma, os agricultores não estão satisfeitos com a presença das aves.  Uma vez que um bando delas destrói um hectare de lavoura ( equivalente a 1,5 campo de futebol), em um ou dois dias.  

Assim, em resposta às perdas de suas lavouras, os agricultores atacam as aves. Bem como, os produtores usam pedras, paus e até armas de fogo.  

Por que as araras-azuis se alimentam de milhos ?  

-- Continuar depois da publicidade --

De acordo com a agrônoma e mestre em Ciências Florestais, Kilma Manso Raimundo da Rocha, que atua na região desde 2005, os danos às lavouras, definitivamente, são grandes.  Dessa forma, resultam em perdas de praticamente toda a área de plantação. Logo, trazem prejuízos aos agricultores.  

 A falta do alimento preferido das araras aconteceu devido ao desmatamento da vegetação nativa. Ademais, a seca, cada vez mais constante, igualmente contribui na diminuição da oferta da alimentação natural das aves. Dessa forma, na busca pela sobrevivência, as aves se deslocam até os milharais.  

Leia ainda: Segundo panda gigante aparece diante das câmeras pela primeira vez

Projeto mira fim do conflito entre espécie da arara-azul e agricultores
Com a falta do seu alimento preferido, as araras- azuis buscam os milharais ( Crédito wordpress)

Como resolver o conflito?  

Antes de mais nada, a solução proposta é a recompensa aos produtores pelos prejuízos. Dessa forma, Kilma criou a ONG ECO. Essa ONG  possui o Projeto para ressarcimento de danos aos milharais decorrentes de ataques de araras-azuis. Logo, a ação repõe aos produtores toda a quantidade de milho consumidas pelas aves.

“O objetivo principal da iniciativa é evitar atitudes hostis (muitas das quais resultantes em morte das aves) contra as araras, por parte dos agricultores que têm suas lavouras atacadas e, muitas vezes, completamente destruídas”, explica Kilma.   

O projeto é financiado por instituições nacionais, juntamente com internacionais.  De acordo com Kilma, a iniciativa diminuiu os conflitos entre os agricultores e as araras. Ademais, aumentou a oferta do alimento. Assim, os produtores têm a certeza que serão ressarcidos. Logo, permitem que as aves se alimentem livremente.  

Dessa forma, os números do Projeto para Ressarcimento de Danos aos Milharais Decorrentes de Ataques de Araras-Azuis-de-Lear informam a distribuição de 8,3 mil sacas de milho de 60 kg, para, aproximadamente, 1 mil agricultores.    

Leia ainda: Saiba como surgiu a lenda da rena do nariz vermelho

Gostou dessa matéria? Acompanhe mais em nossas redes sociais e compartilhe! 

-- Continuar depois da publicidade --

Comments
Loading...