Rússia obtém grande volume de mineradoras da China

A repressão da China em seu setor de mineração de criptografia, lançada no início deste ano, causou uma migração massiva de empresas de mineração para jurisdições mais amigáveis, como a Rússia

0

Hoje 29 de novembro de 2021, a FolhaGo traz para você, leitor, novidades sobre o universo das criptomoedas, dessa vez, diretamente da Rússia.

As mineradoras da China moveram uma enorme quantidade de hardware de cunhagem de moedas para novas bases ao redor do mundo, incluindo a Rússia.

Com a Rússia supostamente tendo a maior parte entre vários destinos atraentes, incluindo os Estados Unidos, as mineradoras migraram em grande volume para esses países.

Sendo assim, os mineradores Chineses migraram para vários países, incluindo a Rússia, que fornecem certa clareza regulatória ou oferecem energia barata.

Dados compilados pelo Financial Times mostram que 14 das maiores empresas de criptografia de mineração do mundo evacuaram mais de 2 milhões de máquinas de mineração da República Popular depois que o governo de Pequim lançou uma repressão nacional contra o setor em maio.

Veja também: Bitcoin City: Sonho ou realidade? El Salvador nos mostrará

Rússia Ocupa o Primeiro Lugar

imagem usada para ilustrar primeiro lugar da Rússia
imagem usada para ilustrar primeiro lugar da Rússia

A América do Norte e a Ásia Central se transformaram em ‘hotspots’ de mineração, mas foi a Rússia que ocupou o primeiro lugar.

O relatório revela que pelo menos 205.000 dispositivos de mineração foram transportados para a Federação Russa de um total de mais de 430.000.

Após a decisão da China de ir atrás dos mineradores de bitcoin, a empresa russa Bitriver recebeu 200.000 máquinas de mineradores chineses, enquanto o Bit Cluster com sede em Moscou acomodou outras 5.000.

Ainda mais, o vizinho Cazaquistão também se tornou um importante destino de mineração. O país, que mantém uma tarifa de eletricidade limitada, agora hospeda vários centros de dados administrados por mineradoras chinesas.

Segundo os números do FT, a maioria das 87.849 plataformas de mineração chinesas realocadas veio de Bitfufu, que despachou 80.000 máquinas para fazendas de criptografia no Cazaquistão, e da BIT Mining, que implantou 7.849 dispositivos em agosto.

Você pode gostar: Bitcoin: Foxbit e os pagamentos no Brasil

Regulamentação 

imagem suada para representar a Rússia
imagem usada para ilustrar primeiro lugar da Rússia

Ambos os ex-países soviéticos, a Rússia e o Cazaquistão, estão enfrentando desafios relacionados às suas crescentes indústrias de criptografia.

A Rússia ainda não regulamentou o setor, com cada vez mais opiniões entre as autoridades de que a mineração deve ser reconhecida como uma atividade empresarial e tributada de acordo.

O Cazaquistão está enfrentando escassez de energia, em grande parte atribuída a criptomoedas, enquanto as autoridades estão refletindo sobre a introdução de registro para mineiros e uma tarifa de eletricidade mais alta.

E você leitor, o que acha de toda essa proibição das mineradoras da China e sua consequente evasão? Deixe nos comentários.

Saiba mais: Da pirâmide à tumba: “Faraó dos Bitcoins” responde a cerca de 300 processos

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.