Operação da Polícia Federal em Minas Gerais: três outros Estados estão na mira das licitações das lousas eletrônicas

PF quer combater as fraudes no fornecimento dos materiais de informática

O combate às fraudes nas licitações das lousas eletrônicas, bem como dos materiais de informática está sendo feito em uma operação da Polícia Federal em Minas Gerais. Outros três Estados estão na mira das fiscalizações que investigam empresas envolvidas.

Continua depois da publicidade

Os crimes que envolvem essas instituições investigadas até agora movimentaram cerca de R$ 7,5 milhões apenas no Estado mineiro. A operação da Polícia Federal em Minas Gerais comprovou que as movimentações bancárias entre os anos de 2011 até 2019 superaram R$ 50 milhões.

Assim, leia mais: PF combate exploração ilegal de minérios no Pará

Continua depois da publicidade

Operação da Polícia Federal em Minas Gerais investiga organização criminosa que atua na Região Sudeste do país

A Polícia Federal (PF) iniciou, nesta terça (27/10), mais uma fase instituída na Operação Quadro Negro. Os Estados envolvidos são: Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais. A Polícia está investigando uma organização especializada em fraudes nas licitações para o fornecimento das lousas eletrônicas, bem como dos materiais de informática das aulas on-line.

Ao que parece, nessas fraudes estão envolvidas algumas empresas que, juntas, movimentaram cerca de R$ 7,5 milhões apenas em Minas. Entretanto, a organização criminosa tinha vários contratos espalhados em mais Estados da Região Sudeste do país, superando a marca de R$ 50 milhões entre os anos de 2011 e de 2019.

Continua depois da publicidade
Licitações fraudulentas estavam sendo feitas em 4 estados da Região Sudeste do país
Licitações fraudulentas estavam sendo feitas em 4 estados da Região Sudeste do país – Foto: Elton Lopes

Ademais, confira também: Saiba onde assistir ao vivo Sport x Internacional no Brasileirão

Segunda fase colocada em prática

Segundo informações dadas pela Polícia Federal, depois que a primeira fase desta operação foi instaurada, algumas empresas que atuavam em cumplicidade, também, foram descobertas. Elas atuavam juntamente com as que já estavam sendo investigadas. Além disso, outras pessoas foram descobertas como sendo as reais beneficiárias e donas dos valores que foram burlados nos crimes. Entretanto, nenhuma delas constava nos registros apurados.

Quinze mandados de busca e apreensão foram expedidos ao todo neste processo. Dentre eles, três foram para Minas Gerais, três para o Rio de Janeiro, cinco para São Paulo e quatro para o Espírito Santo. No Estado mineiro, oito cidades foram alvo das ações investigativas. Entretanto, não foram revelados os nomes dessas cidades onde os mandados estão sendo cumpridos.

Expediu-se, também, ordens proibindo os alvos das investigações de entrarem em contato entre si. Além disso, durante as operações em todos os Estados do Sudeste, a justiça ordenou que nove investigados entregassem imediatamente os passaportes.

Hoje (27/10), aconteceu a convocação da coletiva de imprensa na capital mineira para explanação acerca do caso. A denúncia será detalhada, bem como tudo o que diz respeito entre os pormenores da investigação.

Um detalhe importante a ser ressaltado é que a PF seguirá todos os protocolos para segurança recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para a realização da entrevista. Indo além, as medidas preventivas contra o contágio da COVID-19 estão sendo tomadas por todo o efetivo que trabalha no caso.

Assim, a operação da Polícia Federal em Minas Gerais e nos outros Estados segue todas as precauções devidas diante da pandemia enfrentada no país. Não há previsão para o término dos trabalhos das forças policiais no crime de fraude.

Você também pode se interessar: Após vitória da Seleção Brasileira, Neymar vira alvo de homenagens na web


Continua depois da publicidade
Para obter mais conteúdos siga o Folha Go no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!

Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão aprovados. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.