Crianças no Youtube assistem mais anúncios do que vídeos, diz estudo

Em tempos de pandemia, em que o Youtube tem se tornado uma ajuda para os pais, pode ser que o conteúdo assistido não seja produtivo

Crianças no Youtube estão assistindo uma grande variedade de vídeos na plataforma que estão cheios de anúncios, os quais, às vezes, têm filmagens violentas e oferecem pouco valor educacional, de acordo com um relatório de acadêmicos e da Common Sense Media, um grupo de defesa.

Continua depois da publicidade

Veja também: Sampaio Correa e Chapecoense: veja tudo sobre o jogo de hoje

O YouTube é um malabarismo na mídia infantil e os espectadores dispararam durante a pandemia. Contudo, a empresa tem lutado para policiar os vídeos que as crianças assistem, mesmo depois de investir profundamente em maneiras de moderar melhor o conteúdo infantil, uma vez que se tornou um problema político.

Continua depois da publicidade

Entretanto, o novo relatório argumenta que o YouTube não tem feito o suficiente. Os pesquisadores coletaram mais de 1.600 vídeos de 191 pais que seus filhos, todos menores de 8 anos, assistiram no site principal do YouTube este ano.

Entre as conclusões, aparece que os anúncios estavam presentes em 95% dos vídeos do estudo. Além disso, um quinto dos anúncios foi classificado como inadequado para a idade – um comercial de whisky em um vídeo de pintura de unhas para meninas; outro anúncio, durante um clipe de videogame, que perguntava sobre migração.

Continua depois da publicidade

O relatório pode estimular um enfoque renovado dos legisladores no Google da Alphabet Inc., proprietária do YouTube, um ano depois que a empresa pagou uma multa recorde por infringir as leis de privacidade das Crianças no Youtube.

Crianças no Youtube (Reprodução: Pixabay)
Crianças no Youtube (Reprodução: Pixabay)

Acordo para segurança de Crianças no Youtube

Em setembro de 2019, o Google chegou a um acordo de $170 milhões com a Comissão Federal de Comércio dos EUA para veicular anúncios baseados em dados pessoais para crianças no YouTube.

Antes do caso, o YouTube afirmava que crianças menores de 13 anos não usavam seu site sem supervisão. Após o acordo, o YouTube concordou em remover anúncios direcionados dos canais “orientados” às crianças e começou a apontar os espectadores mais jovens para o YouTube Kids, o aplicativo separado para crianças. A empresa também disse que estava investindo em vídeos educativos de “qualidade”.

O YouTube também deixou seus criadores marcarem seus vídeos como “feitos para crianças” ou não, e argumentou que era difícil designar os clipes como “dirigidos a crianças”. Grupos de defesa criticaram esta abordagem.

As Crianças no Youtube assistiram uma média de 39 minutos de vídeos por dia, o dobro da quantidade de 2017, que os pesquisadores encontraram. Cerca de 5% dos vídeos do estudo tinham “alto valor educacional”, que os pesquisadores definiram como tópicos didáticos que iam além de simples conceitos e eram apropriados para o desenvolvimento.

Contudo, alguns anúncios até interferiram com partes educacionais dos vídeos. Em um clipe para ensinar cores para crianças, Blippi, um popular YouTuber, nos Estados Unidos, apontou abaixo a palavra “azul” que foi bloqueada por um anúncio em banner.

Segundo o estudo, 30% das filmagens do YouTube continham “violência física leve” e apenas 24% mostravam uma representação diversificada de raça e gênero. O estudo se baseou em um sistema de classificação semelhante ao que o se usa para classificar as filmagens para os pais.

A pesquisa não acusa o YouTube de servir anúncios direcionados a Crianças no Youtube, bem como o estudo descobriu que muitas crianças assistiram aos vídeos do YouTube que os pesquisadores classificaram como altamente educacionais. Em relação a outros clipes, no entanto, o sistema de recomendações do YouTube raramente os publicou.

Saiba mais: Felipe Neto careca? Foto do perfil do Youtuber no Instagram choca a web


Continua depois da publicidade
Para obter mais conteúdos siga o Folha Go no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!

Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão aprovados. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.