Metaverso: Compras de terreno multimilionárias na realidade virtual

0

Nos últimos dias o mercado de ativos do metaverso vem movimento grandes volumes de negociações. Capitalizações diárias milionárias e até mesmo bilionárias; Isso é tokenização do metaverso. E a força que possui é expressamente a de revolucionar o mercado de cripto ativos.

Mas, algo que vem intrigando o mercado como um todo é a possibilidade de empresas e indivíduos adquirirem terrenos dentro do metaverso, como já acontece em SandBox ou Descentraland. Mas as implicações que isso traz e trará para o desenrolar do mercado é algo incerto. Por isso, na Folha Go esse artigo foi escrito partindo da premissa de que esses projetos carregam consigo o futuro da tecnologia blockchain.

metaverso

 

Mas e quando pessoas famosas compram terrenos na realidade  virtual?

Sim. E Snoop Dogg é uma das estrelas que já se inseriram dentro do metaverso. Esse adquiriu um terreno dentro da rede The Sandbox. E algo surpreendente aconteceu logo em seguida: Um fã de sua música decidiu desembolsar o equivalente a 2.5 mihões de reais e comprar um terreno ao seu lado.

E isso é apenas o início o grande impacto que o metaverso terá dentro da vida de figuras públicas e, consequente, na população como um todo. Afinal, figuras públicas influenciam seus consumidores de conteúdo a tomarem decisões com base no sentimento de fã.

A interação entre pessoas que pode vir a acontecer dentro do metaverso será tão real quanto a que se tem na realidade e melhor: sem as limitações de um corpo humano para intervir na liberdade de interação do jogador com o cenário da forma que bem entender.

Então, não há dúvidas de que será um espaço com tanta abrangência e aceitação quanto tiveram as redes sociais. É claro que para isso essa tecnologia precisa passar pela curva de aceitação. E isso pode levar dias, semanas, meses ou até anos.

De qualquer maneira, eis um bom questionamento a se fazer: será que Mark Zuckerberg mudaria o nome da Companhia do Facebook para Meta e em seguida anunciaria diversos investimentos dentro do metaverso com valores que estipulam-se ser multimilionários e até bilionários por acaso?

É bem provável que não. E no fim o dono da Holding “Meta”, Mark Z. , não é o único otimista com a inovação dentro da expansão das capacidades que a realidade virtual tem. Diversas empresas de jogos bem consolidadas, tais como a Ubisoft, já ingressaram nessa que parece ser a mais nova tendência do mercado de ativos digitais.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.