PL 591/21 da privatização dos Correios: Erika Kokay se mostra contra; saiba mais

Oposição tem criticado urgência do projeto

Anúncio


Está em tramitação o Projeto de Lei 591/2021 que tem como objetivo a privatização dos Correios; ou seja, segundo o PL, os serviços postais poderão ser explorados pela iniciativa privada, inclusive a empresa brasileira, estatal e pública de Correios e Telégrafos. Entenda melhor sobre o projeto nesta terça-feira (20/04).

Continua depois da publicidade

Caso seja aprovado, o PL autorizará uma série de mudanças. Além disso, a tramitação vem sendo criticada pela oposição ao governo, visto a necessidade de discutir questões relevantes relacionadas à pandemia, mas também pelo fato de ser necessário um debate mais aprofundado entre os parlamentares e a sociedade sobre o assunto.

De acordo com a oposição, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), quer antecipar a votação do projeto e colocá-lo como urgente. O comportamento gerou críticas de vários parlamentares.

Continua depois da publicidade
Privatização dos Correios: Erika Kokay se mostra contra o PL 591/21; saiba mais
Privatização dos Correios: Erika Kokay se mostra contra o PL 591/21; saiba mais – Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Privatização dos Correios é amplamente criticada pela oposição

O PL 591/21 foi entregue ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ainda em fevereiro e segue aguardando o parecer do Relator na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (CDEICS).

Continua depois da publicidade

Contudo, ao que indica, a base aliada quer votar e aprovar o projeto o quanto antes, visto que ainda na semana passada, Bolsonaro assinou um decreto incluindo os Correios no Plano Nacional de Desestatização.

Segundo a ementa do PL, de autoria do Poder Executivo, a organização e a manutenção do Sistema Nacional de Serviços Postais será de responsabilidade da iniciativa privada.

Contudo, segundo a Agência Câmara de Notícias, a União manterá para si uma parte dos serviços, chamada na proposta de “serviço postal universal”, que inclui encomendas simples, cartas e telegramas. O motivo é que a Constituição obriga a União a ter serviço postal e correio aéreo nacional.

Além disso, a Agência informou:

O serviço postal universal poderá ser prestado pelos Correios, transformado em sociedade anônima com o nome de Correios do Brasil S.A., ou por empresa privada que receber a concessão.

O novo operador (Correios ou concessionário) será obrigado a praticar a modicidade de preços e cumprir metas de universalização e de qualidade definidas pelo governo dentro da política postal brasileira. A proposta abre a possibilidade de haver mais de um operador por região.

O projeto também estabelece que a Anatel será a reguladora do mercado de serviços postais no Brasil. O órgão manterá a sigla mas ganhará um novo nome: Agência Nacional de Telecomunicações e Serviços Postais.

Desse modo, desde ontem (19), a aposição tem criticado a posição do governo tanto com relação ao caráter de urgência do PL, quanto com posicionamentos contrários ao projeto.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) compartilhou mais cedo em sua conta oficial do Twitter o seu posicionamento (corroborando com a oposição) sobre o assunto.

 

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies