Nápoles dá adeus ao seu ídolo Diego Maradona

Nápoles dá adeus ao seu ídolo Diego Armando Maradona

Anúncio


A torcida do Nápoles fez uma peregrinação silenciosa e muito comovente em frente à curva B do estádio San Paolo de Nápoles, onde centenas de napolitanos se despediram nesta quinta-feira, dia 26 de novembro, com altares improvisados e muitas lágrimas de Diego Armando Maradona.

Continua depois da publicidade

O Atacante e ídolo mundial, Diego Armando Maradona, também foi ídolo de uma cidade que se identifica com sua vida extravagante e, ao mesmo tempo, trágica.

Leia também: Maradona é velado na Casa Rosada; entenda

Continua depois da publicidade

O desfile foi composto pela maioria de homens, quase todos com máscara em virtude da pandemia da Covid-19.

Continua depois da publicidade

De vez em quando, o silêncio era interrompido pelos aplausos e gritos:

“Diego, Diego, Diego”.

A torcida transformou o estádio San Paolo de Nápoles em um santuário em memória do craque argentino. Havia centenas de velas, rosas, azuis, fotos, lenços e camisetas. Assim, diversos pertences foram colocadas em frente ao estádio, que foi a verdadeira casa de Maradona em Nápoles.

Um fã e torcedor chamado Rosário, de 77 anos, que é conhecido por ser o poeta do estádio, barbeiro na juventude e que vive em frente ao San Paolo desde 1954, recitou uma poesia que compôs ontem, após receber a notícia da morte de Maradona.

“Adeus, ciao Diego”, gritou em lágrimas.

Na parte externa da entrada do estádio, colocaram uma longa faixa que diz:

“Ao rei imortal, tua bandeira não deixará de balançar”.

Amor imortal

Velório de Maradona começa com confusão na Argentina. Foto/Captura/TN TV

Mais um torcedor chamado Gino, de 48 anos, se emocionou na TV AFP-TV e disse:

“Não esperávamos sua morte. Nós não escolhemos o Maradona, foi ele quem escolheu Nápoles”.

Diego Armando Maradona tem o amor imortal de Nápoles, pois liderou o time do Napoli ao título em duas ocasiões. Os títulos Italianos foram em 1987 e 1990, que também foram marcados por luzes e sombras, futebol e máfia.

Outro admirador, chamado Antonio, disse à TV AFP-TV:

“Sua vida privada nunca importou para nós”

Ele evitou falar do que fez o ídolo argentino fora dos gramados em sua passagem pelo Napoli de 1984 a 1991. Que foi muito marcada também pelas festas noturnas, confusões sentimentais e, principalmente, pelo seu vício em cocaína.

E acabou conhecendo e mantendo relações com a Camorra, a máfia napolitana. Na noite quarta-feira, dia 25 de novembro, passou um documentário de 2008 no canal 7 da televisão italiana sobe Diego Armando Maradona.

Este documentário foi dirigido por Emir Kustirica e, nele, Maradona diz:

“Representei no sul uma parte da Itália que não contava”

No jornal da capital do sul da Itália, chamado II Mattino, Nápoles é agora o Túmulo de Maradona. As autoridades impediram grandes manifestações devido ao confinamento que limita as movimentações na região que é fortemente afetada pela Covid-19.

O jornal de esquerda Il Manifesto escreveu:

Apesar disso, o luto é sentido. “O Rei”, o “imortal”, o “Deus” será lembrado como “o eterno rebelde que trouxe felicidade e redimiu uma humanidade desesperada e sofrida”, transformado hoje em um “símbolo de liberdade”. 

O jogador Gianmpiero disse emocionado, diante o futuro estádio, que levará o nome da lenda argentina:

“O último herói dos últimos”, que com o futebol uniu uma cidade, pobres e ricos, agora “joga com os anjos, que o querem como capitão, para que os leve à vitória como só ele sabe fazer”.

Veja também: Jogador Griezmann do Barcelona nega que tenha desavença com colega Messi

Carregando comentários aguarde...
...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais

Política de Privacidade e Cookies