Vergin Hyperloop: primeiro teste com passageiros em um trem ultraveloz, “transporte futurista”

Transporte futurista pode andar longas distâncias em pouco tempo

Caros leitores, um marco importante foi alcançado no último final de semana e o Folha Go saiu, nessa sexta-feira (13), atrás de mais informações para explicar, com detalhes, essa notícia. Na estrada do futuro, o projeto consiste em andar longas distâncias de forma rápida e eficiente por meio de um sistema de transporte, o Vergin hyperloop.

Nesse sentido, ocorreu a primeira viajem em uma das virgens levitando’s hyperloop, cápsula projetada pelo Bjarke Ingels Group (BIG) e pelo dinamarquês Kilo Design com o objetivo de demonstrar que os passageiros são capazes de viajar com segurança dentro de um pod hyperloop. Nessa ocasião,  os voluntários foram enviados a 100 milhas por hora, através de um túnel quase sem ar, na pista de teste em Las Vegas, no deserto de Nevada.

Veja também: Moto G 5G Plus é a nova sensação da marca Motorola embarcada de muita tecnologia

Primeiro teste da Hyperloop

O teste ocorreu em uma pista de teste de 500 metros no deserto ao norte de Las Vegas, durando 15 segundos e atingindo o equivalente a 172 km/h, marca bem abaixo das ambições da Virgin que tem a meta de viajar com velocidades superiores a 1.000 km/h. Nesse cenário, seria possível fazer o equivalente à distância da cidade do Rio de Janeiro a São Paulo em menos de meia hora.

Para o teste, a Virgin Hyperloop, usou um pod hyperloop experimental projetado para acomodar dois passageiros: Josh Giegel, diretor de tecnologia e co-fundador da Virgin Hyperloop, e Sara Luchian, diretora de experiência do cliente que foi a primeira a embarcar.

Luchian comentou que a viagem foi tranquila e “nada parecida com uma montanha-russa”, embora a aceleração tenha sido mais “veloz”, o que seria com uma pista mais longa. Nenhum deles se sentiu mal e disseram que, ao contrário do que acontece no avião, não havia forças laterais que fizessem o casulo balançar.

Reprodução twitter @virginhyperloop /Pista de teste em Las Vegas Nevasca
Reprodução twitter @virginhyperloop /Pista de teste em Las Vegas Nevasca

Virgin Hyperloop diz que sua pista tem 500 metros de comprimento, limitando a velocidade dos pods, que poderia ser maior com a aceleração necessária. Ainda assim, os executivos da Virgin Hyperloop veem o teste como um marco importante e um passo em direção à comercialização da tecnologia hyperloop.

O projeto continua e com alguns obstáculos antes que o sistema hyperloop comercial seja construído, pois a Virgin Hyperloop ainda precisa levantar dinheiro suficiente para seu próximo projeto, uma instalação de teste de US $ 500 milhões de seis milhas em West Virginia, para certificar a tecnologia da Virgin Hyperloop.

Detalhes do projeto do Hyperloop

Em uma entrevista à CNN Business Giegel disse que os pods hyperloop podem viajar na velocidade de uma aeronave, mas com uma fração do consumo de energia e que a construção de sistemas projeta conectar cidades. Os futuros sistemas comerciais terão pods que acomodam entre 25 e 30 pessoas. Prevê o transporte de dezenas de milhares de passageiros por hora.

Quanto ao túnel, poderão ser executados acima ou abaixo do solo, mas até o momento a empresa tem se concentrado em projetos acima do solo. O túnel abaixo do solo é mais demorado e caro.

O sistema emprega mag-lev, ou seja, a mesma tecnologia usada por trens de alta velocidade no Japão e Alemanha. É um sistema à vácuo que usa levitação magnética impedindo que haja atrito, ao contrário dos trens tradicionais que circulam sobre trilhos, o que permitir uma viagem quase silenciosa.

Promete ser duas vezes mais rápido do que um avião comercial e quatro vezes mais rápido que um trem. Se funcionar como o anunciado, o tempo de viagem pode ser reduzido significativamente. Como exemplo, uma viagem de Los Angeles à San Francisco pode levar menos de uma hora, viagem que, de avião, pode levar até uma hora. Tudo isso sem emitir carbono.

Os pods hyperloop não terão horário definido de funcionamento, a inteligência artificial ajustaria os destinos, o número de cápsulas de viagens e horários seriam ajustados de acordo com a demanda. Por fim, o objetivo da empresa é conseguir um certificado de segurança até 2025 para que as operações comerciais do Pegasus comecem em 2030.

Leia mais: Tecnologia IPTV, a TV sem cabo, apenas via IP

Comments
Loading...