David Miranda informa que a CPI da Covid começa hoje

Parlamentar afirma que este é o meio de formalizar a culpa do Governo Bolsonaro no combate à pandemia

De acordo com o que o deputado federal David Miranda informou em sua conta oficial no Twitter que a CPI da Covid começa hoje (27/04). Conforme afirma o parlamentar, a ação, de certa forma, servirá para formalizar a culpa do Governo Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus. Saiba mais hoje (27/04) aqui no Folha Go.

Ainda segundo ele aponta em seu Twitter, houve no mínimo 11 vezes que o ministério da Saúde disse não para a aquisição de vacinas. Não só isso, mas também ele afirma milhares de brasileiros já morreram por não terem tomado a vacina que o Governo Bolsonaro não comprou.

-- Continuar depois da publicidade --

A CPI da Covid

Sem sombra de dúvida, um dos intuitos da CPI da Covid é demonstrar no seu relatório final a quantidade de vezes que o governo de Jair Bolsonaro disse não para as vacinas. Inegavelmente, enxerga-se as vacinas como única solução para se precaver contra a Covid-19.

cpi da covid
David Miranda informa que a CPI da Covid começa hoje. Fonte da imagem: Pixabay

-- Continuar depois da publicidade --

O atual governo brasileiro recusou um contingente de 11 ofertas formais de fornecimentos de vacinas contra o novo coronavírus. Aliás, essa recusa se deu por meio do ato de simplesmente ignorar as ofertas.

Além disso, essa quantidade leva em consideração somente os episódios em que há documentos comprovando tal omissão. Vale a pena dizer que os senadores que integrarão a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) já estão cientes desse fato.

Inegavelmente, esse número provavelmente deve aumentar no decorrer das investigações.  Ademais, a CPI irá investigar outros elementos.

As vacinas recusadas

Até o presente momento, o que os parlamentares da CPI da Covid já sabem, além da quantidade de vezes que o governo recusou ofertas de vacina, de quais empresas ou instituições se recusou essas oferta.

Das 11 recusas, 6 delas tem relação com a Coronavac, cuja produção é um esforço conjunto do Instituto Butantan e do Sinovac, um desenvolvedor da China. Existem ainda 3 recusas de ofertas formais de vacinas da Pfizer e duas da Covaxin, da Índia.

-- Continuar depois da publicidade --

Comments
Loading...